Nubank perde clientes por patrocinar o portal bolsonarista 'Brasil Paralelo'

Nubank perde clientes por patrocinar o portal bolsonarista 'Brasil Paralelo'

Clientes estão cancelando contas e cartões do Nubank após a cofundadora do banco divulgar evento da produtora Brasil Paralelo, de extrema-direita.

Além do fechamento da conta e do cancelamento dos cartões, os clientes também questionaram o Nubank sobre as relações com a Brasil Paralelo. Até o momento, a instituição financeira se limita a informar que “não compactua com opiniões de colaboradores e não haverá nenhum tipo de alteração referente à nossa posição” e que em breve vai soltar uma nota sobre o assunto.

Queda na Bolsa

As ações da Nubank apresentaram queda de 1,18% na Bolsa de Nova York (NYSE)  terça-feira (18) após o movimento nas redes sociais  pedir pelo boicote ao banco.

Na abertura dos mercados desta quarta (18), as ações do ROXO34 (Nubank) na BVMF abriram em queda de 1,23% até as 10:16, seguindo a tendência da tarde de ontem, em que houve queda nos papéis do banco, considerado uma das principais fintechs da América Latina.

Apoio a nazista

A culpada pela queda foi a CEO do Nubank,  Cristina Junqueira, que postou convite para uma palestra do Brasil Paralelo,  produtora reconhecida como uma máquina de reproduzir mentiras em prol do bolsonarismo no Brasil.

O evento que a CEO do Nubank divulgou tem Jordan Peterson como palestrante,  mundialmente conhecido por naturalizar Adolf Hitler. No vídeo (clique aqui para ver) ele diz literalmente que você “tem que admirar Hitler” por causa do “gênio organizacional” que ele era.

Centenas de clientes cancelaram suas contas e o Nubank segue nos trending e ações caem 1,18%. Pode ter sido apenas uma coincidência, mas pode ser reação ao cancelamento de contas em massa, escreve a Forbes Money.

Em entrevista ao Roda Viva, Cristina Junqueira disse que contratar negros seria “rebaixar a empresa”.

Com informações da Fórum, Infomoney e redes sociais