Lula lidera com 44%, Bolsonaro tem 31%, Ciro 8% e Dória 3%, registra XP/Ipespe

Lula lidera com 44%, Bolsonaro tem 31%, Ciro 8% e Dória 3%, registra XP/Ipespe

O ex-presidente Lula (PT) lidera a corrida pela Presidência da República e teria 44% dos votos se as eleições fossem hoje, de acordo com a nova rodada da pesquisa Ipespe contratada pela XP Investimentos,  divulgada nesta sexta-feira (6).

O segundo colocado é o presidente Jair Bolsonaro (PL), com 31%, nesta simulação em que os entrevistadores mostram um cartão com os nomes dos candidatos. Em seguida vêm o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), com 8%, o ex-governador de SP João Doria (PSDB), com 3%, e o deputado federal André Janones (Avante-MG), com 2%). 

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) e o cientista político Luiz Felipe d’Avila (Novo) têm 1% cada. A sindicalista Vera Lucia (PSTU), o ex-deputado José Maria Eymael (DC) e o deputado Luciano Bivar (União Brasil) não pontuaram. Brancos e nulos somam 8% e não sabem ou não responderam 2%.

Segundo turno

Em todas as simulações de segundo turno feitas pelo Ipespe, Lula vence as eleições que serão realizadas em outubro deste ano. Confira os cenários simulados:

Cenário 1

. Lula – 54%

. Bolsonaro – 34%  

. Nenhum, branco e nulo: 12%.

Cenário 2

Lula – 52%

– Ciro – 25%

– Nenhum, branco e nulo – 23%.

Cenário 3

– Lula – 55%

– Doria – 19%

– Nenhum, branco e nulo – 26%.

Metodologia da pesquisa

A pesquisa Ipespe foi realizada no período de 2 a 4 de maio de 2022.

Foram feitas 1.000 entrevistas via telefone.

A margem de erro máximo estimada é de 3.2 pontos percentuais para mais ou para menos, com um intervalo de confiança de 95,5%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo BR-03473/2022. 

Sobre o Ipespe

O Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) é uma empresa de pesquisas fundada em 1986 e com sede no Recife. O instituto geralmente faz pesquisas eleitorais por telefone. Operadores ligam para eleitores selecionados conforme a distribuição de todo eleitorado brasileiro e os questionam sobre suas preferências eleitorais.