Esquerda deve se unir em torno de um nome em Goiás

Esquerda  deve se  unir em torno de um nome em Goiás

O crescimento da candidatura do presidente Lula anima as militâncias do PT, PSB, PC do B, PSOl e Rede em Goiás a se unir em torno de um único nome para o governo do Estado

A última pesquisa Data Folha mostrou o ex-presidente Lula crescendo 5 pontos percentuais, de 43% para 48%, abrindo 21 pontos de vantagem sobre o presidente Jair Bolsonaro (PL) numa clara tendência de que o petista caminha para vencer no primeiro turno.

Em Goiás a onda Lula deve alavancar os candidatos a deputado estadual e federal, e também os candidatos ao governo e ao Senado. A avaliação é de Dumar Prado, que e da Executiva Estadual do PT.

“Em 2002, na primeira eleição de Lula o PT elegeu dois deputados federais (Neyde Aparecida e Rubens Otoni) e quatro estaduais (Ivan Ornelas, Mauro Rubem, Paulo Garcia e Luis Cesar Bueno), acreditamos que neste ano iremos ampliar para seis estaduais e três federais”, vaticina Dumar.

Em relação ao governo do Estado, Dumar Prado observa que há dois nomes postos pelas lideranças do PSB e da federação PT, PC do B, PV e que o ex-governador José Eliton e o professor e ex-reitor Wolmir Amado estão bem posicionados.

Questionado sobre o recuo de Zé Éliton, que em nota a imprensa disse que dava um passo atrás para não constranger o PT e os demais partidos, Dumar Prado interpreta o gesto como uma sinalização de humildade e acha que ele está no páreo.

“PT e PSB, assim como os demais partidos da federação (PCdo B e PV) estão em sintonia com o projeto nacional, que não se trata apenas de eleger Lula presidente. O projeto é maior, é de defesa da democracia e de construir um governo que retome o emprego, o desenvolvimento, que combata a inflação e a carestia aqui em Goiás e no Brasil.Por isto tanto o professor Wolmir, quanto o ex-governador Zé Éliton são lideranças indispensáveis neste projeto”,opina.

Nacionalmente a campanha Lula-Alckmin está definindo as chapas nos Estados. Em Minas Gerais foi anunciada a composição PSD-PT, onde o candidato a governador será o ex-prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, e o vice do PT. O chamado GTE (Grupo de Trabalho Eleitoral) , que cuida nacionalmente das alianças, prioriza o acordo entre PSB e PT em Goiás, e é com este viés que a chapa que defenderá Lula conta com o entendimento em torno de Éliton e Wolmir