Escola de Samba Lua-Alá faz desfile no Oscar Niemeyer, dia 11 de junho, com apoio da Secult

Escola de Samba Lua-Alá faz desfile no Oscar Niemeyer, dia 11 de junho, com apoio da Secult

Agremiação chega aos 33 anos de carnaval de rua homenageando os que se foram durante a pandemia do coronavírus e reverenciando a história do samba e dos seus sambistas

A Escola de Samba Lua-Alá, nasceu em 1989, como um bloco de amantes do samba e da sátira política, como muitos outros que desfilavam na Avenida Araguaia. Naquele ano de 1989 acontecia a primeira eleição para  presidente, após 21 anos de ditadura, e amigos do samba e da política se juntaram para fazer o bloco que chamava atenção para os novos rumos do país. Entre os que iniciaram a Lua-Ala estavam o então vereador e futuro prefeito de Goiânia Darci Accorsi, o marqueteiro Leo Pereira, o escritor José Antônio de Moura, o ator e diretor Delgado Filho e muitos outros.

Após dois anos de pandemia, onde o carnaval de rua de Goiânia foi sacrificado em nome da garantia da vida, a Lua-Alá retoma seus trabalhos com um desfile comemorativo aos 33 anos da agremiação, e também com homenagem às vítimas da pandemia, e também numa reverência à vida e aos que superaram um dos piores momentos do Brasil e da humanidade.

Cartaz convida população para o desfile

Presidente de honra da escola, Delgado Filho esclarece que o desfile é fruto de  um projeto que foi contemplado pelo Edital de 2017, do Fundo de Arte e Cultura de Fomento à Cultura popular através da Secretaria de Cultura do Estado (Secult-Go). O recurso, no entanto, só foi liberado agora, neste mês de maio de 2022.

Naquele ano de 2017, a Lua Ala preparou um enredo antecipando os 30 anos da escola (que seria em 2019), e agora, passados cinco anos, optou-se por trabalhar o enredo: “Lua-Alá  33 anos homenageia seus filhos ilustres – Atabaque para Pai Marden Ribeiro, Pandeiro para o Mestre-Sala Russo e Surdão para Roberto do Samba”.

Segundo Delgado Filho, “nestes 33 anos a Lua-Alá celebra a vida, após dois anos de pandemia e toda a tristeza que isto gerou em Goiás e  no Brasil. A escola tem como carro-chefe o amor pela vida, a arte do reencontro”.

Reverenciando a vida

Delgado lembra que a pandemia do coronavírus levou três diretores da escola, entre eles Roberto do Samba, que era o presidente, mestre-sala Russo e Pai Marden Ribeiro que era o coreógrafo da comissão de frente. “Vamos fazer uma homenagem à vida, e aos que se foram e aqueles que aqui estão, com uma grande festa de samba, que será feita no dia 11 de junho as 19hs, no Centro Cultural Oscar Niemeyer”, frisa.

Delgado ressalta que a direção do Oscar Niemeyer abraçou o projeto e vai disponibilizar arquibancadas para o público, iluminação, e toda uma infraestrutura para receber a Escola de Samba Lua-Alá, que irá desfilar com cerca de 400 integrantes, e também toda a população.

“Estamos felizes por fazer o desfile fora do período do feriado do carnaval, por que a população goianiense tem a mania de dizer que Goiânia não tem escola de samba, no entanto a Lua-Alá, que completa 33 anos é uma das mais jovens, considerando que a primeira escola, a Urso Branco, data da década de 1940. Há uma história viva do carnaval de rua de Goiânia, o que falta é divulgação e reconhecimento”, opina.

Quem são os homenageados:

Diretoria da Lua-Ala prepara o “carnaval fora de época” no Oscar Niemeyer, no mês de junho

Marden Ribeiro: Nasceu em Goiânia na região de Campinas; Pai de Santo do Candomblé – Terreiro Caboclo Sete Flexas – Maria Padilha – Obaluaê; Filho de Pai João de Abuque – Linha Ketu; Maquiador do Grupo de Theatro Arte e Fogo e sempre desfilou na Escola, apresentando a Comissão de Frente na avenida; professor de música de Bandas Marciais do Colégio Pedro Gomes e pela Prefeitura de Goiânia. 

Roberto do Samba: Nasceu em Goiânia pioneiro na região do Jardim Novo Mundo, fundador do Bloco Carnavalesco AxéAlabê; Fundador da Escola de Samba Novo Mundo nos anos 90; faleceu ocupando o ilustre cargo de Presidente da Associação Cultural Escola de Samba Lua-Alá; tinha como profissão, serralheiro; Cenógrafo do Grupo de Theatro Arte e Fogo e artesão das fantasias carnavalescas; boêmio e ritmista da bateria Lua-Alá e Coró de Pau.

Mestre-Sala Russo: Carioca da Gema, nascido no Rio de Janeiro; Bailarino de formação na UFRJ; professor bailarino de dança de Salão; Mestre-Sala da Portela e Salgueiro nas décadas de 70 e 80; Policial Civil da Cidade do Rio de Janeiro; Fez aberturas de novelas da Rede Globo de Televisão e Mestre-Sala da Escola de Samba Lua-Alá desde os anos 2.000 fazendo sua estreia na Estação Cultura na praça dos trabalhadores.

Comissão de frente da escola ensaia para mostrar samba no pé no dia 11 de junho

Samba enredo:

Diga 33 respira!…

O amor está no ar em plenos pulmões

A felicidade avisa, colei no bonde!

Daqui não saio e daqui ninguém me tira.

 Surgiu no céu à estrela cor vermelho encarnado

Hoje veio homenagear aqueles que estão no encantado

No sopro, nos raios de Oyá

A história bonita dos antepassados

Da rua pra avenida, do abadá pra fantasia

Nasceu Lua-Alá!

O estandarte da alegria anunciando o carnaval

Trinta e três anos de lutas e glórias vamos juntos celebrar

Saudação Mardem Ribeiro, rei de Ketu, Okê-Arô

A paixão se faz presente, seu ori deixou semente de amor

Carioca Mestre Russo, Mestre-sala magistral

Do baile, do balé, Seu Zé Roberto berço do samba do carnaval seu legado é luz de farol

Aqui se faz presente no meio dessa gente ontem, hoje e sempre eternamente

Serviço:
Desfile: “Lua-Alá aos 33 anos, homenageia seus filhos ilustres: Atabaque ara o Pai Marden Ribeiro, Pandeiro para o Mestre Sala Russo e Surdão para Roberto do Samba”.
Local: Centro Cultural Oscar Niemeyer – Av. Jamel Cecílio, c/ GO-020 KM 01 – Goiânia-GO
Data: 11 de junho de 2022 – sábado
Horário: 19 horas