Derrotar o nazismo e o fascismo continua importante hoje tanto quanto em 1945

Derrotar o nazismo e o fascismo continua importante hoje tanto quanto em 1945

do Sputinik Brasil

Um dos dias mais importantes da história da Rússia foi comemorado na segunda-feira (9). Vários eventos festejaram os 77 anos da derrocada do nazismo pelas tropas soviéticas no país e na Europa, inclusive na Praça Vermelha, em Moscou, com a participação do presidente Vladimir Putin. A novidade é que o Rio de Janeiro também celebrou a derrota dos nazistas.

O professor Lucas Rubio, vestido de soldado do Exército Vermelho, e , e Egor Sergachev, chefe do protocolo do Consulado da Rússia no Rio de Janeiro, em 9 de maio de 2022.  - Sputnik Brasil, 1920, 09.05.2022

© Foto / Divulgação


Com coparticipação do Consulado Geral da Rússia no Rio, a Escola Intercultural Brasil-Rússia, no Colégio Estadual Tenente Otávio Pinheiro, no Rio de Janeiro, recebeu a exposição sobre o 77º aniversário da vitória na Grande Guerra pela Pátria.


A derrota dos nazistas na Segunda Guerra Mundial é comemorada na Rússia como o Dia da Vitória, em 9 de maio.


A escola fica em Belford Roxo, na região metropolitana da capital fluminense. Cerca de 50 alunos com idade entre 15 e 16 anos assistiram palestras, exposições e até um vídeo gravado pelo embaixador da Rússia no Brasil, Aleksei Labetskiy.

Em sua fala, ele enfatizou a necessidade de se combater o nazismo e o fascismo no atual momento do mundo, já que há países que querem reacender essas correntes de nacionalismo de extrema-direita — caso da Ucrânia, que incorporou o neonazista Batalhão Azov às Forças Armadas.Autoridades do consulado, como o chefe de protocolo Egor Sergachev, estiveram presentes na celebração.

“Esse evento foi uma culminância de um trabalho que venho desenvolvendo. Leciono russo e geopolítica. Passei as duas últimas semanas trabalhando o tema nas aulas, para que os alunos soubessem o significado do Dia da Vitória tanto para o povo russo quanto para o povo brasileiro — já que o Brasil também participou da Segunda Guerra Mundial”, explicou o professor Lucas Rubio à Sputnik Brasil.

Fotos expostas no Colégio Estadual Tenente Otávio Pinheiro, no Rio de Janeiro, em 9 de maio de 2022.  - Sputnik Brasil, 1920, 09.05.2022
Fotos expostas no Colégio Estadual Tenente Otávio Pinheiro, no Rio de Janeiro, em 9 de maio de 2022.© Foto / Divulgação

A escola recebeu uma exposição de fotos cedidas pelo Consulado da Rússia e, também, um acervo de medalhas ganhas por soldados que lutaram pelos Aliados que venceram a Segunda Guerra Mundial e a Grande Guerra pela Pátria. O material ficará em exibição por algumas semanas para os alunos da escola.

“São por volta de 20 medalhas da minha coleção que vieram de países bálticos, da Moldávia, da Ucrânia. São adquiridas de netos cujos avôs lutaram na guerra, eles se desfazem delas”, contou o professor.

Os cerca de 50 alunos também receberam uma explanação sobre a importância do Dia da Vitória, elaboradas tanto por Rubio quanto por Sergachev.No final da fala, eles mostraram uma cópia da Bandeira da Vitória — hasteada pelo Exército Vermelho no prédio do Parlamento da Alemanha, o Reichstag, em Berlim, em 1º de maio de 1945.

Alunos observam medalhas da Segunda Guerra Mundial, pertencentes ao acervo pessoal do professor, em 9 de maio de 2022.  - Sputnik Brasil, 1920, 09.05.2022

Alunos observam medalhas da Segunda Guerra Mundial, pertencentes ao acervo pessoal do professor, em 9 de maio de 2022.© Foto / DivulgaçãoCópias da Medalha de São Jorge, honraria usada pelo presidente Vladimir Putin em seu discurso hoje (9) na Praça Vermelha, também foram distribuídas para os adolescentes.”A verdade é que o maior fardo da Segunda Guerra recaiu sobre o povo soviético devido aos inumeráveis crimes de guerra cometidos pelos nazistas contra a União Soviética, que perdeu milhões de pessoas ao longo do conflito. Há uma tentativa de reescrever ou mesmo apagar a União Soviética e seu papel fundamental na vitória, mas eventos como esse são justamente para que se conte a verdade”, diz o professor.Rubio contou que congregou o grupo de estudos 9 de Maio, o primeiro do país em 77 anos a se debruçar sobre a participação fundamental do Exército Vermelho na vitória da Segunda Guerra Mundial.Atualmente, a equipe concentra dez pesquisadores que se dedicam ao tema — a maioria deles egressa das cadeiras das universidades do Estado (UERJ) e Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).O último livro lançado pelos pesquisadores, cujo título é “A Grande Guerra Patriótica dos Soviéticos”, tem dez artigos de diferentes autorias e sobre momentos distintos das tropas soviéticas na guerra. Segundo ele, há uma promessa de que o livro seja traduzido para o russo e usado no meio acadêmico do país.Sobre a atual operação militar especial na Ucrânia, o professor diz que o grupo observa o conflito sem fazer julgamentos precipitados.

Mural pintado no Colégio Estadual Tenente Otávio Pinheiro, no Rio de Janeiro, em 9 de maio de 2022.  - Sputnik Brasil, 1920, 09.05.2022

Mural pintado no Colégio Estadual Tenente Otávio Pinheiro, no Rio de Janeiro, em 9 de maio de 2022.© Foto / Divulgação”Há um consenso, porém, de que o que a Rússia está fazendo tem total fundamento histórico e social. A Ucrânia mata deliberadamente civis russos em seu território. Há um projeto da OTAN [Organização do Tratado do Atlântico Norte] de cercar a Rússia por todos os lados. Lembrando que é um conflito que existe desde 2014, e acreditamos no objetivo de desmilitarização e desnazificação como motivo da operação”, observa ele.

O alerta sobre o crescimento do nazismo e do fascismo deve ser permanente em todos os países do mundo, mas também no Brasil, pondera.

“Importante dizer que estamos fazendo no Brasil algo que ficou 70 anos sem ser feito [o grupo de estudos 9 de Maio], ainda mais num momento delicado como o atual, falar à luz da história que foi o Exército Vermelho quem levou a libertação da humanidade do nazismo. Se antes se envergonhavam e ficavam no esgoto, hoje os neonazistas e neofascistas se exibem, com marra, inclusive no Brasil, onde as células neonazistas vêm crescendo exponencialmente, como apontam pesquisas recentes. Combater o nazismo e o fascismo nunca foi tão importante quanto agora”, conclui.