Brasil ganha 2 milhões de eleitores jovens, 47% a mais do que em 2018

Brasil ganha 2 milhões de eleitores jovens, 47% a mais do que em 2018

De janeiro a abril, o país ganhou 2.042.817 eleitores de 16 a 18 anos, que poderão participar da votação de outubro. Esse número representa 47,2% a mais em relação a igual período de 2018, e um acréscimo de 57,4% sobre 2014. O balanço de eleitores jovens foi divulgado no início da sessão de quinta-feira (5), um dia depois do final do prazo para regularização¹ e solicitação de títulos. Nos últimos meses, foi feita intensa campanha pelas redes sociais para estimular a participação da juventude.

Apenas em abril, 991.415 eleitores jovens obtiveram o seu primeiro título, 89,7% a mais do que no mês anterior (522.471). O presidente do TSE, ministro Edson Fachin, comemorou afirmando que mais de 2 milhões de novos eleitores de 16 a 18 anos “no dia 2 de outubro comparecerão às urnas para exercer o nobre e digno direito do voto”. Segundo ele, o cadastro superou todos os recordes da Justiça Eleitoral.

No total dos últimos 31 dias, a Justiça Eleitoral registrou 8.951.527 pedidos. Foram 4.5577.342 de forma presencial, nos cartórios, 4.394.185 no formato virtual. Só na quarta-feira (4), no encerramento do prazo, forram mais de 1,3 milhão de atendimentos.

Resposta em até um mês

O TSE lembra que agora é preciso aguardar a análise dos dados. “Todos os requerimentos feitos até o dia 4 de maio serão examinados e respondidos. O prazo de resposta é de até um mês”, informa o tribunal. A partir de agora, não serão mais aceitas solicitações de emissão, transferência e mudança de cadastro.

O número final de eleitores aptos a votar em outubro será divulgado em 11 de julho. Em 2020, o Brasil tinha 147.918.483 cidadãos inscritos, sendo 79,5% com biometria. Desse total, eram 1,5 milhão com 18 anos (1,04%), 791 mil com 17 anos (0,53%) e 240 mil com 16 anos (0,16%).