13 de maio: Coalizão Negra e partidos de oposição acionam STF contra genocídio negro

13 de maio: Coalizão Negra e partidos de oposição acionam STF contra genocídio negro

Documento registra diversos dados que comprovam impactos desproporcionais para a população negra no Brasil. Durante a pandemia da Covid-19, jovens e mulheres negras sofreram aumento na violência e no desemprego

Os impactos desproporcionais das políticas econômicas, sociais e de segurança pública do atual desgoverno de Bolsonaro para a população negra no país, que atinge principalmente as mulheres e a juventude, fazem parte de uma ação apresentada nesta quinta-feira,12, no Supremo Tribunal Federal (STF).

A ação é assinada pela Coalizão Negra por Direitos, partidos políticos como o PT, PDT, PSOL, Partido Verde, Rede Sustentabilidade, PCdoB, PSB e mais cerca de 250 organizações, coletivos e entidades do movimento negro e antirracista que atuam coletivamente na promoção de ações de incidência política à população negra brasileira.

Na justificativa, os autores da ação destacam diversos dados que comprovam impactos desproporcionais na condução do país para a população negra, atualmente 56% dos brasileiros. Entre eles, o fato de que 58,1% dos lares com insegurança alimentar serem chefiadas por pessoas autodeclaradas pretas ou pardas, em 2018.

O impacto da pandemia sobre a população negra pode ser medido pelo desemprego ou trabalho suspenso de mais de 1,3 milhão de trabalhadoras domésticas, em sua maioria negras. Por outro lado, a violência contra a juventude negra nas periferias continua ceifando vidas e levando sofrimento às famílias.

“Os dados apresentados na ação comprovam o que já alardeamos há tanto tempo”, adverte Douglas Belchior, cofundador da Uneafro Brasil e integrante da Coalizão Negra.  “É hora de dar um basta nesse genocídio”, convoca Douglas, traduzindo o sentimento de luta da população negra.