Coronel que estava nos EUA e Filipi Martins são presos pela PF no inquérito que aponta participação de ambos na tentativa de golpe de Estado

Coronel que estava nos EUA  e Filipi Martins são presos pela PF no inquérito que aponta participação de ambos na tentativa de golpe de Estado

O coronel do Exército Bernardo Romão Corrêa Neto foi detido pela Polícia Federal durante a madrugada ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Brasília, vindo de voo dos Estados Unidos. Neste momento, ele está preso no Batalhão da Guarda Presidencial.

Corrêa Neto passou por audiência de custódia na manhã de domingo (às 11h) com juiz auxiliar do Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Alexandre de Moraes tomará decisão sobre a manutenção da prisão. Ainda não há informações sobre quando o ministro tratará do assunto.

A Polícia Federal também prendeu Filipe Martins, ex-assessor especial da Presidência na casa de sua namorada, em Ponta Grossa (PR). No governo Bolsonaro ele foi assessor de assuntos internacionais. Martins é um dos alvos da operação que mira militares e ex-ministros do ex-presidente Bolsonaro. Também foi preso Marcelo Câmara, assessor especial de Bolsonaro enquanto ele estava no Palácio do Planalto. Martins, que é ligado ao bilionário fascista Steve Bannon, foi o redator da minuta do golpe de Estado, encontrado no gabinete de Jair Bolsonaro na sede do PL em São Paulo.

Filipi Martins é um dos autores intelectuais da tentativa de golpe de Estado

O coronel Bernardo Romão estava em missão internacional em Washington desde dezembro de 2022, no Colégio Interamericano de Defesa. Ele é um dos quatro investigados pela PF por suposto envolvimento nos crimes de tentativa de golpe de Estado e de abolição do Estado democrático de direito. Eles tiveram a prisão preventiva decretada na semana passada durante a operação da Tempus Veritatis (em latim, “hora da verdade”).

Em nota, o advogado de Filipe Martins, João Vinícius Manssur, alega que “não teve acesso à decisão que fundamentou as medidas e que já solicitou o acesso integral dos autos para estudo e posterior manifestação.”

Apenas o presidente nacional do PL, Valdemar da Costa Neto, já obteve a liberdade provisória. Ele foi alvo de busca e apreensão na investigação sobre golpe de Estado, mas acabou preso porque em sua casa foi apreendida uma arma de fogo sem registro e uma pepita de ouro sem origem comprovada.

Bernardo Romão Corrêa Neto teria atuado na preparação de reunião e seleção de militares formados no curso de Forças Especiais (Kids Pretos) para atuar em tentativa de golpe de Estado. Nas investigações da Polícia Federal, o militar é apontado como homem de confiança do tenente-coronel Mauro Cid, ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro.

O coronel é formado pela Academia Militar das Agulhas Negras em 1997, foi comandante do 10º Regimento de Cavalaria Mecanizado e ocupava cargo de assistente do Comandante Militar do Sul, general Fernando José Sant’ana Soares e Silva, atual chefe do Estado-Maior do Exército.

Ao chegar em Brasília, o investigado teve passaporte e telefone celular apreendidos pela Polícia Federal.

Com informações do G1 e RBA